Mulher-Maravilha é a heroína que nós e a DC precisávamos!

Com tanto poder feminino que nos foi apresentado durante o filme, o sentimento de representatividade é muito importante. Ter a referência de uma mulher forte em um filme grandioso como este é um passo bem significante em nossa cultura. A Mulher-Maravilha nos mostra que mulheres podem ser capazes, poderosas e independentes.

No início do filme nos é apresentada a infância de Diana (Mulher-Maravilha/Gal Gadot), filha da rainha das amazonas, Hipólita (Connie Nielsen). Vivem em uma ilha paradisíaca, habitada somente por amazonas, Temiscira. Desde jovem, Diana se interessa pela luta e ensinamentos de defesa que as amazonas praticavam. Sua mãe é contra a ideia de Diana se tornar uma guerreira, mas ao perceber o destino inevitável da filha, autoriza Antíope (Robin Wright), sua irmã, a mais habilidosa entre as amazonas a administrar o treinamento para a pequena Diana.

Quando o piloto Steve Trevor (Chris Pine) aparece na ilha, Diana tem seu primeiro contato com um homem e se encontra em um confronto com os alemães. A grande motivação dela é proteger seu podo e a humanidade, que foi o que a moveu durante toda a trama. O cenário é o da Primeira Guerra Mundial, e Diana está certa de que Ares, o Deus da guerra está por trás de toda a desgraça que vem ocorrendo com o povo ao redor do mundo, fazendo assim com que ela tenha por objetivo destruí-lo.

Filmes recentes da DC quando colocados em um patamar com Mulher-Maravilha nos decepcionam bastante. Decepção é uma palavra que não podemos usar quando se trata de Mulher- Maravilha que foi lindamente dirigido pela Patty Jenkins. O filme consegue nos apresentar a história mitológica dos personagens de uma maneira bonita e natural. Cenas de lutas de tirar o fôlego com bastante slow motion que dão a sensação de poder e força.

Uma cena que para mim ficou marcada pela sua significância foi a da trincheira na qual Diana com o desejo de salvar centenas de vidas inocentes e indo a favor de seus princípios, avança em campo de batalha recebendo uma interminável onda de tiros inimigos e se defende apenas com seu escudo e sua coragem. No meu ponto de vista feminino o significado daquelas balas é a opressão masculina que a mulher vem sendo obrigada a conviver durante toda a história da humanidade. Cada bala defendida pela mulher-maravilha contém uma representação, sendo elas, o assédio, as agressões, as ofensas, etc… Ver Diana se defendendo, se esquivando e enfrentando quem a ataca é inspirador e motivacional.

Mulher-Maravilha é o filme que você estava esperando da DC!

Compartilhe essa postagem