Com a temporada de Peter Pan da Broadway encerrando hoje em São Paulo no Teatro Alfa, realizamos uma entrevista com um ensaio exclusivo para comemorar o sucesso do musical. Para interpretar o personagem protagonista, Mateus Ribeiro foi selecionado através de audições, que tiveram mais de 4000 candidatos. As fotos foram tiradas pelo fotógrafo Mateus Aguiar.

Como foi a recepção do público desde o começo com o musical? E principalmente, como você se sentiu “voando” pela primeira vez com uma plateia presente?

 A recepção da platéia tem sido incrível desde o começo, estamos trazendo algo de muita qualidade e uma produção que um espetáculo tão mágico como esse merece. O ato de voar é mágico, eu amo quando voo pela primeira vez no espetáculo entrando pela janela do quarto. As pessoas ficam frenéticas, e as reações variam desde pessoas espantadas, fascinadas, até uma platéia batendo palmas e gritando. É incrível!

Assim como em Wicked, muitas crianças abordavam Myra e Fabi na porta do teatro, conversavam e tratavam elas como as personagens. Isso também aconteceu com você? Como está sendo o carinho do público infantil?

Sim. Eu acho muito genuíno a maneira como as crianças se portam. Elas são muito honestas e por serem inocentes, embarcam com tudo na magia. Porém ao mesmo tempo as crianças de hoje em dia são muito espertas, algumas com pouca idade já estudam para se tornarem atores, então tudo varia muito. Os menorzinhos são sempre os mais engraçados, e eu amo essa interação com eles. Já ouvi desde “queria subir no palco pra te dar uma balinha que comprei pra você, mas minha mãe não deixou.” Até “você é adulto?!”, de um garotinho que ficou muito confuso ao me ver fora do palco. Rs

Mateus Ribeiro com Murillo Martins, que interpreta o Michael na peça.

São 10 anos na carreira de musicais, né? Que conselho você daria para quem está começando agora?

Na verdade tenho de profissão 14 anos, e de teatro musical 7 anos trabalhando profissionalmente, os 3 primeiros foram de estudo. Eu diria pra você estudar. Sempre. O ator não pode parar de estudar, e falo isso num plano mais abrangente. Se conheça, conheça suas qualidades e seus defeitos, aprimore aquilo que precisa, seja exigente com você e leve a arte como seu ofício, se assim o desejar. Leve ela a sério. E saiba o que te faz feliz e que caminho quer seguir. Não se limite. Esteja aberto, a arte tem muitas frentes incríveis, como ser ator, cantor, diretor.. e dentro disso outras várias possibilidade, uma delas é o teatro musical. E por último, entenda que seu competidor é você e não os outros. Se esforce pra ser a sua melhor versão. Não se compare!

 E como você recebeu a notícia que seria o Peter Pan?

 Foi uma mistura de mil sentimentos. Eu queria muito esse papel, e mais que isso queria muito uma oportunidade maior de mostrar meu trabalho. E não poderia ter sido em espetáculo ou personagem melhor. Eu chorava e pulava ao mesmo tempo quando recebi a notícia.

 

Falando sobre a peça, o musical está uma tremenda produção. Peter Pan é um dos meus clássicos favoritos, como é pra você fazer parte de um espetáculo tão grande como esse?

Olha, é incrível. Eu venho participando de produções incríveis nos últimos anos, mas Peter é especial. Primeiro por ser um espetáculo muito mágico, fazer parte disso é lindo. Eu me sinto vivendo um sonho, bem consciente mas vivendo. Me sinto abençoado por fazer parte disso tudo. É um dos cenários mais lindos que já vi na vida, figurinos incríveis… temos um time muito bom. A magia claramente chega na plateia! E sem contar os voos, que são muito presentes no Brasil e nunca teve nada parecido em nenhuma produção de teatro musical do país. Inclusive gringos do Peter já nos falaram que essa sem dúvida a maior produção do espetáculo no mundo!

 

E qual o seu clássico favorito da Disney?

 Nossa, tão difícil né? Disney é incrível! Mas agora não tem como eu falar que não seja Peter Pan. To em uma relação de amor sem fim. Rs

 Qual a sua cena favorita do espetáculo e por quê?

Está aí outra pergunta muito difícil de responder. Eu acho o espetáculo tão incrível, com cenas e coreografias tão bem pensadas e executadas. Se eu tivesse que escolher algumas das minhas preferidas, eu falaria todo a primeira entrada na casa da familia Darling, pois tem o meu primeiro voo, e tem três solos incríveis, que é “O Galo cantou”, que tem uma importância sentimental muito grande pra mim, a “Neverland” que é uma das músicas mais bonitas da peça e o “Voando” que é a hora que a magia acontece, um número emblemático. Sem contar que as cenas na casa com a Wendy, são incríveis. Bom, mas é complicado, porque o espetáculo tem muitos momentos incríveis.

 

 Os musicais estão cada vez mais conquistando os jovens, seja no cinema com “O Rei do Show” e “La La Land” ou com Wicked que atraiu um enorme público jovem. Como começou a sua paixão por musicais?

Eu primeiro comecei a gostar de musicais sem saber o que eram. Eu sou apaixonado pelo Cirque du Soleil, e uma vez quando criança fui na locadora alugar videos do Cirque e peguei Cats sem querer, assisti e adorei aquilo, mas não sabia que era teatro musical. Depois vi Fantasma da Ópera, e achei incrível um filme que os atores do nada cantavam. No Nordeste temos muitos espetáculos onde a música se mistura, inclusive fiz alguns lá quando mais novo, e fazia parte de uma companhia de teatro que usava muito o teatro físico, então as coisas foram acontecendo aos poucos. Depois veio o filme High School Musical que curti. Cheguei a fazer o Simbinha em uma peça que imitava o Rei Leão da Broadway, em Fortaleza, porém eu sequer sabia o que era Broadway. Até que me mudei pra Brasília e acabei parando em uma audição para ETMB – Escola de Teatro Musical de Brasília. Eu não fazia ideia do que era Teatro Musical, e tive um pouco de desinteresse, confesso. Na hora que soube do teste pensei “High School Musical e Rei Leão”, que eram as únicas coisas que conhecia que podiam ser teatro musical, e eu não queria ficar fazendo isso como ator. Mas fui pro teste, por não conhecer nada ainda da cidade, e acabei passando. Me matriculei na escola e acabei me apaixonando pelo gênero. Descobri o quão vasto ele é e o quanto ele possibilitava eu me desenvolver como ator. Achei incrível e a paixão segue até hoje.

Sobre o Musical

Em Peter Pan da Broadway, Mateus Ribeiro faz de tudo em cena, ele canta, dança, voa e nos presenteia com seu carisma. Durante diversos momentos do espetáculo, tentava pensar se haveria algum outro nome para interpretar o clássico personagem, e não consegui chegar em tal conclusão. Mateus se entrega totalmente, seja nas acrobacias, nos voos e até no vocal em cenas como “Voando”, que emociona não só as crianças, e sim todos por presenciarem uma cena tão delicada ter sido executado de uma maneira tão bonita. Parece que ele já interpreta o personagem há anos, pela sua leveza em cena durante todo o musical.

“É só pensar pensamentos felizes, e pronto, você vai voar!”

Peter Pan da Broadway é mais que um musical para toda a família, se trata de um espetáculo em que a magia se torna realidade. É evidente o esforço não só de todo o elenco, mas da produção em não simplesmente só apresentar uma peça ao público, e sim, entregar com tamanha dedicação e carinho um clássico, já conhecido, de maneira encantadora e fascinante. A crítica completa do espetáculo você confere aqui.

Próximos projetos

Com estreia prevista para Outubro, ‘Na Pele’, versão nacional do premiado Off-Broadway ‘Bare – A Pop Opera’ se passa em um internato católico, e conta a história do amor proibido entre Peter e Jason. O musical promete emocionar abordando temas atuais e importantes. Aumentando a força do circuito independente no Brasil, a peça terá um financiamento coletivo no Catarse. Além de Mateus, Diego Montez e Thuany Parente são nomes confirmados no elenco. Então fiquem ligados no Instagram do musical para acompanharem as novidades, @napelemusical.

 

 

Compartilhe essa postagem